janeiro 06, 2017

Opinião: A Estrada, Cormac McCarthy

Título: A Estrada
Título original: The Road
Autor: Cormac McCarthy
Editor: Relógio D'Água
ISBN: 9789727089345
Nº de Páginas: 187

Sinopse: Um pai e um filho caminham sozinhos pela América. Nada se move na paisagem devastada, excepto a cinza no vento. O frio é tanto que é capaz de rachar as pedras. O céu está escuro e a neve, quando cai, é cinzenta. O seu destino é a costa, embora não saibam o que os espera, ou se algo os espera. Nada possuem, apenas uma pistola para se defenderem dos bandidos que assaltam a estrada, as roupas que trazem vestidas, comida que vão encontrando - e um ao outro. A Estrada é a história verdadeiramente comovente de uma viagem, que imagina com ousadia um futuro onde não há esperança, mas onde um pai e um filho, "cada qual o mundo inteiro do outro", se vão sustentando através do amor. Impressionante na plenitude da sua visão, esta é uma meditação inabalável sobre o pior e o melhor de que somos capazes: a destruição última, a persistência desesperada e o afeto que mantém duas pessoas vivas enfrentando a devastação total.

     A Estrada ocorre em um momento em que o mundo praticamente acabou e tudo se transformou em cinzas. Mundo esse em que acompanhamos os personagens principais, um pai e um filho, que nunca chegamos a saber quais os seus nomes. Ao longo da obra seguimos a jornada de ambos a tentarem sobreviver com o objetivo de rumarem para sul, até chegarem à costa.
     Entre vários problemas que vão encontrando um deles é a escassez de comida, que leva ao canibalismo, o que lhes dá mais uma razão para não confiarem em ninguém. E o facto de não puderem estar muito tempo no mesmo sítio, o que os obriga a andar em constante fuga.
     A história faz com que nos perguntemos várias coisas ‘’Se não há nada para viver, porquê lutar tanto para continuar vivo?’’, ‘’Se ele tem uma arma porque não acabar logo com o sofrimento de ambos?’’, e no meio daquilo tudo ‘’Qual deles estava numa situação pior, o pai ou filho?’’. Provoca-nos sensações assustadoras e deprimentes ao ponto de ter de segurar a lágrima, mas no meio de tanta tristeza consegue-nos encher de esperança e amor. 


Cormac McCarthy nasceu em Rhode Island, em 1933. Estudou na Universidade do Tennessee, que deixou para ingressar na Força Aérea. Vive actualmente em Santa Fé, no sul dos Estados Unidos, com a mulher o filho. É autor de nove romances, entre eles, O Filho de DeusO Guarda do Pomar e Meridiano de Sangue. Recebeu o Prémio Pulitzer em 2007.

Sem comentários:

Enviar um comentário